As Navegações Europeias

Share

As Navegações Europeias ocorrem no início da Idade Moderna, a Europa passava por uma crise, em virtude de que tanto o campo como a cidade consumiam mais recursos do que produziam. Pra ter uma ideia, se estivermos nos referindo à comida, eles comiam mais do que produziam. E se pensarmos nas cidades que não produziam comida, os produtos artesanais feitos na cidade, não encontravam compradores no campo, pois o campo plantava apenas para comer, pois essa era a realidade do feudalismo.

A saída para essa dificuldade, poderia residir no comércio internacional, que desde as cruzadas, a Europa tinha descoberto que isso era algo muito produtivo. Assim eles poderiam comprar alimentos e obter metais preciosos (agora com o comércio precisavam comprar muito ouro e prata para as moedas). Ao mesmo tempo, vender produtos artesanais fabricados nas cidades europeias. Beleza, mas e por que eles não faziam isso? Pois tinham que pagar uma taxa para quem agenciava para eles essas compras que eram ou navegadores genoveses e venezianos (italianos), ou comprar dos muçulmanos.

O “problema”  dos muçulmanos

Desde muito antes das brigas entre cristãos e muçulmanos, o oriente era uma região de tremendas trocas culturais e muitas riquezas que por lá circulavam. Por exemplo, vamos destacar a Rota da Seda. Famosa por vender… SEDA! (mas seda mesmo tá? Tô falando do tecido, não do papel de enrolar maconha). As cruzadas serviram para mostrar que o comércio de especiarias que também vinha por essa rota era um mercado muito promissor devido ao alto lucro de venda dessas mercadorias. Rapidamente os comerciantes europeus descobriram que poderiam aumentar em muito os seus lucros se cortassem despesas de gastos com intermediários para a compra e venda dessas especiarias. Os muçulmanos, não conquistaram a rota da seda, mas desde a tomada de Constantinopla pelo Império Turco-Otomano, dominaram o comércio por terra que ligava a essa rota e um pouquinho dele por mar. Eles não impediam os europeus de comprar, mas cobravam pesados impostos deles por passarem por suas áreas. Por esse motivo os mercadores começaram a estudar novas rotas e a se interessar principalmente na navegação.

A famosa rota da seda… o que será que ela vende?

Portugal sai na frente

Nessa época, Portugal ainda nem era um país. Mas desde cedo, portugueses mantinham um comércio por mar com a Inglaterra e a França, assim, com o passar do tempo, ao invés de se focar na posse da terra (como a maioria das nações faziam) ele começaram a ter formada uma burguesia mercantil. Acontece que essa burguesia formou uma grande aliança com o futuro rei que expulsou os Espanhóis do seu território e colocou no trono um rei português (D. João I). Juntos, rei e burguesia permitiram que Portugal saísse na frente, pois todos queriam a mesma coisa: o comércio. Como, para tomar o comércio pelo mar era necessário combater os muçulmanos, obviamente a Igreja ficou “amiga” de Portugal, condecorando o um dos filhos do Rei (Infante D. Henrique) como o grão-mestre da Ordem dos Cavaleiros de Cristo.

A Escola de Sagres

A conquista de Ceuta, que era um posto avançado de comércio muçulmano no meio do Mediterrâneo, deu o título ao nosso D. Henrique, e pouco depois disso ele fundou em Sagres uma escola com o intuito de reunir geógrafos, navegadores e cartógrafos, todos com o objetivo de atrair qualquer informação, conhecimento que permitisse que estes conseguissem aperfeiçoar as técnicas de navegação. A Escola de Sagres vai ser responsável por grandes avanços tecnológicos, tais como a bússola (agulha magnética que sempre aponta para o norte), o quadrante (um arco graduado de 45º que ajuda a dar a latitude exata do navio) e o astrolábio (um disco que facilita a orientação da embarcação através das estrelas). E é claro, a invenção da mais nova embarcação que era a Caravela. Abaixo uma imagem e uma explicação de como funcionava o astrolábio.

Eis o tal do astrolábio…
Eis o tal do astrolábio. Com aquela régua redonda que usamos em matemática, o cara apontava para o Sol beeem no meio dia e via na linha embaixo quantos graus marcava. Desse jeito ele tinha como calcular a latitude dele. Lembra das coordenadas geográficas de Geografia do ano passado? É desse jeito que o troço funciona.

Etapas da expansão marítima portuguesa.

A expansão marítima portuguesa interessava à Monarquia, que buscava seu fortalecimento; à nobreza, interessada em conquista de terras; à Igreja Católica e a possibilidade de cristianizar outros povos e a burguesia mercantil, desejosa de ampliar seus lucros.

A seguir, as principais etapas da expansão de Portugal:
1415 -tomada de Ceuta, importante entreposto comercial no norte da África;
1420 -ocupação das ilhas da Madeira e Açores no Atlântico;
1434 -chegada ao Cabo Bojador;
1445 -chegada ao Cabo Verde;
1487 -Bartolomeu Dias e a transposição do Cabo das Tormentas;
1498 -Vasco da Gama atinge as Índias ( Calicute );
1499 -viagem de Pedro Álvares Cabral ao Brasil.

Revisão:

Vamos resumir um pouquinho as causas. Assim podemos reunir elas em duas motivações:

Interesses econômicos:

1) a necessidade de ampliar a produção de alimentos, em virtude da retomada do crescimento demográfico;
2) a necessidade de metais preciosos para suprir a escassez de moedas;
3) romper o monopólio exercido pelas cidades italianas no Mediterrâneo que contribuía para o encarecimento das mercadorias vindas do Oriente;
4) romper o monopólio exercido pelos Turcos Otomanos, que encareciam ainda mais os produtos do Oriente.

Sociais e Religiosos:

1) O enfraquecimento da nobreza feudal e o fortalecimento da burguesia mercantil.
2) A possibilidade de conversão dos pagãos ao cristianismo mediante a ação missionária da Igreja Católica.

OPA! A Espanha entra na luta!

A Espanha será um Estado Nacional somente em 1469, com o casamento de Isabel de Castela e Fernando de Aragão. Dois importantes reinos cristãos que enfrentaram os mouros (muçulmanos) na Guerra de Reconquista do território espanhol. Enquanto isso Portugal andava a todo vapor, e isso chamou a atenção dos espanhóis. No ano de 1492 o último reduto mouro, conhecido como Granada, foi conquistado pelos cristãos, neste mesmo ano, Cristovão Colombo ofereceu seus serviços aos reis da Espanha.

Momento baboseira: lembrem-se do episódio do Chapolin onde o Cristóvão Colombo (Chaves) vai ao encontro da Rainha Isabel (Dona Florinda) e Fernando (seu madruga) e pede para sair aos mares: – Quero avisar que a tripulação tem fome! Sei lá por qual motivo lembrei disso agora… mas ignora… vamos seguir.

Colombo acreditava que, navegando para oeste, atingiria o Oriente. O navegante recebeu três navios e sem saber, em 1942 chegou a um novo continente: a América. Pouco tempo depois em 1504, o navegador espanhol Américo Vespúcio afirma que a terra descoberta por Colombo era um novo continente. E, nos anos 1519 a 1522, Fernão de Magalhães realizou a primeira viagem de circunavegação do globo (Não caramba!! A Terra não é plana!). Mas por quê falei de todas essas coisas? Pra mostrar como a Espanha era #@$& e tava com tudo nos mares também.

As rivalidades Ibéricas

Como Portugal e Espanha tavam lado a lado nas navegações, buscando evitar conflitos sobre os territórios descobertos ou a descobrir, elas resolveram assinar um acordo. Esse acordo foi proposto pelo papa Alexandre VI em 1493. De acordo com isso, uma linha vertical imaginária (um meridiano) passando 100 léguas a oeste das ilhas de Cabo Verde, dividia as terras entre Portugal e Espanha. Portugal não aceitou de cara o acordo mas no ano de 1494 foi assinado o Tratado de Tordesilhas. Esse tratado dizia que as terras ao leste da linha seriam portuguesas e oeste seria da Espanha. Nesse acordo os portugueses ficaram com um pedaço do Brasil, ele não chegava nem ao Rio Grande do Sul. Parando no cantinho de Santa Catarina. Esse acordo deveria ser respeitado entre as duas e foi, durante um tempo. Mas um detalhe é que na época, ninguém das demais nações europeias se preocupou em reconhecer esse tratado. kkkk Pra elas, esse tratado era uma piada entre Portugal e Espanha.

Olhem o que seria tratado de Tordesilhas se olharmos ele pelo mapa atual do Brasil.

Clique para fazer download do slide de aula

Referências bibliográficas:

AMADO, Janaina. FIGUEIREDO, Luiz Carlos. A formação do império português (1415-1580). São Paulo: Atual, 1999.

CROUZET, Maurice (dir.). História Geral das Civilizações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995. (17v)

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.