A Crise de 1929

Share
Foto satirizando as oportunidades da economia americana. Em frente a outdoor do american way of life uma fila de desempregados.

Os EUA foram a única nação que saiu vitoriosa da 1º GM. Cheia de lucros, e emprestando dinheiro para as nações europeias que estavam com suas economias arrasadas. A riqueza do país aumentou em 250%. A agricultura se mecanizou e as fábricas aumentaram a sua produção. Esse avanço nas tecnologias das linhas de montagem permitiu a fabricação e a montagem de produtos em pouco tempo, o que será demonstrado principalmente pela indústria automobilística. Porém todo esse consumo desenfreado levou a uma crise de superprodução que foi a crise de 1929.

(Slides no fim do post)

Essa sensação de prosperidade ficou conhecida pelo nome de “vibrante anos 20”. A década de 1920 era marcada pela ascensão das grandes indústrias, pela difusão dos bens de consumo tais como carros, aspiradores de pó, lavadoras, etc. Estimulada pela publicidade norte americana, a classe média adquiria esses bens em um ritmo frenético. Crescia assim o consumismo, embalado por radionovelas, discos, revistas e filmes de cinema. Esse modo de vida ficou conhecido como “American Way of Life”, ou estilo de vida americano.

Anúncios de 1929 nos EUA mostrando como os eletrodomésticos eram úteis ou como as coisas eram baratas.
Anúncios de 1929 nos EUA mostrando como os eletrodomésticos eram úteis ou como as coisas eram baratas.

Os anos 20 também foi palco de muitos conflitos sociais. Os imigrantes começaram a serem discriminados e considerados os causadores do desemprego e das desigualdades sociais, assim, foram criadas leis para restringir a entrada de imigrantes. Muitos foram perseguidos e os que divulgassem ideais anarquistas ou socialistas eram deportados do país. Como sempre para os americanos, a discriminação não era somente aos imigrantes. Havia nos EUA a Klu Klux Klan, que caçava cidadãos negros, perseguindo politicamente, agredindo e assassinando em defesa da “supremacia branca”.

Apesar dos problemas sociais, em meio à essa prosperidade americana, em 1929, vai ocorrer uma crise de superprodução que será conhecida como o Crash da Bolsa de Valores ou simplesmente crise de 1929. Essa crise que ocorreu na bolsa de valores foi provocada pois haviam MUITAS mercadorias e POUCOS trabalhadores para comprar esses produtos. Como a bolsa de valores funciona como a possibilidade de lucro no futuro, ou seja, com um dinheiro que ainda não existe, mas vai existir. A possibilidade real de não existir dinheiro no futuro quebrou primeiro na bolsa de valores.

O ciclo vicioso da crise de 1929.

Essa crise vai acarretar uma série de problemas na economia americana. Com o aumento da produção e consequente sobra de produtos, há uma drástica queda nos preços e dos lucros, o que acarreta em uma redução nacional da atividade econômica sendo sentido nos setores da cidade e do campo. Boa parte da população ficou desempregada, empresas fecharam da noite para o dia e o governo teve que interferir na economia para resolver a crise. Estima-se que somente 40% da atividade industrial sobreviveu à crise de 1929. O desemprego generalizado e retrocesso da economia teve repercussões no mundo todo. Aqui no Brasil ela acelerou o fim da república velha e na Europa, sem enviar apoio financeiro aos países que saíram da primeira guerra mundial a crise deixou terreno fértil para a ascensão do totalitarismo.

Sopão para os desempregados em 1929.
As cidades de lata ou Hoovervilles em 1929. Em “homenagem” ao presidente Hoover.

A saída para a crise

Por mais que o sistema capitalista odeie isso, o governo dos Estados Unidos decide que para resolver a sua crise de economia ele precisa interferir na economia. Surge assim a nova política americana, o “New Deal”. Promovendo acordos entre o governo e a iniciativa provada para reduzir e minimizar o desemprego.

A intervenção do Estado procurou atingir os seguintes pontos para recuperar o país da crise:

  • Controle de preços: o governo passou a estabelecer preços máximos de produtos agrícolas e industriais.
  • Concessão de empréstimos a fazendeiros arruinados a fim de que quitassem suas dívidas e retomassem a produção de alimentos.
  • Realização de obras públicas com o objetivos de criar trabalhos para milhões de desempregados.
  • Criação de um salário-desemprego para quando o funcionário fosse demitido ele ainda tivesse um salário que o manteasse consumindo produtos e serviços por um tempo até adquirir um novo emprego.
  • Limitação dos preços e da produção às exigências do mercado, para garantir os interesses dos industriais.
  • Fixação de salários e jornadas de trabalho, em benefício dos trabalhadores.

O new deal não atingiu o sucesso esperado nos estados unidos, mas conseguiu controlar relativamente a crise da economia e os violentos conflitos sociais que ela gerava. A partir de 1935  a crise foi superada e aos poucos o país retorna o ritmo de crescimento da economia. Como o Estado Estava gastando muito dinheiro com o cidadão, o New Deal foi acusado de causar grandes custos aos cofres públicos (o que não deixa de ser verdade) e aos poucos passou a ser abandonada a intervenção na economia.

Clique aqui para fazer download dos Slides de Aula.

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *